Notícias
« voltar Recall || Publicado em: quinta-feira, 18 de outubro de 2018
Volvo admite possibilidade de recall de caminhão por falha na emissão de gases

A fabricante de caminhões Volvo poderá ter de fazer um recall de veículos em vários continentes, depois de admitir que seus veículos podem estar emitindo níveis mais altos que os permitidos de óxido de nitrogênio, um gás venenoso.

As ações do grupo sueco caíram 6% depois que ele previu um custo "substancial” com o problema, que é causado pelo "componente de controle de emissões” de seus caminhões, que está se desgastando mais rapidamente que o esperado.

"O grupo Volvo detectou que um componente de controle de emissões usado em certos mercados com padrões rígidos de controle de emissões está se desgastando mais rapidamente que o esperado, reduzindo sua capacidade de converter os óxidos de nitrogênio (NOx) com a eficiência pretendida, o que por sua vez pode levar os motores, ou veículos, a exceder os limites de emissão de NOx”, disse a companhia.

"Uma análise completa do problema e planos com as autoridades reguladoras ainda não foi concluída e desta maneira a companhia ainda não tem como estimar o volume de motores ou veículos que precisarão ser examinados.”

A montadora de caminhões acrescentou que o maior número de veículos afetados deve estar na América do Norte e Europa, onde ela vendeu cerca de 150 mil unidades neste ano.

Analistas alertaram que o mesmo problema poderá ocorrer em outras marcas de veículos, como Daimler ou Man e Scania (controladas pela Volkswagen), se ele envolver um componente de um fornecedor que é usado também por outras montadoras.

Um porta-voz da Traton, a unidade de caminhões do Volks Group, disse: "Não há sinais de que os motores usados pela MAN e Scania possam estar excedendo os limites de emissões devido ao desgaste mais acelerado que o esperado dos componentes de controle de emissões”. A Daimler não respondeu a pedidos para comentários.

A indústria de caminhões vem conseguindo evitar ser arrastada para um escândalo no controle de emissões que envolveu o setor automobilístico, embora cinco marcas de caminhões tenham sido multadas em EUR 3 bilhões em 2016, pela Comissão Europeia, por um conluio para protelar medidas de controle de emissões em seus veículos.

Cerca de três anos depois da revelação, em 2015, de que a Volkswagen vendeu 11 milhões de automóveis com um software que mascarava as emissões de poluentes em testes de laboratório, a montadora alemã ainda paga grandes multas pelo caso.

Na semana passada, a Audi foi multada em EUR 800 milhões por um tribunal alemão, em relação com o "dieselgate” original da Volks.

Promotores públicos de Munique multaram a unidade de carros de luxo da Volks em EUR 5 milhões, mais EUR 795 milhões com base nos benefícios econômicos que a Audi obteve ao burlar as leis de emissões. Os promotores disseram que a supervisão frouxa permitiu "desvios dos requisitos reguladores em certos modelos V6 e V8 a diesel” que seriam fabricados e distribuídos pela Audi.

A Volkswagen declarou-se culpada nos Estados Unidos no começo de 2017, por equipar carros cum um software que ludibriava os testes, permitindo a esses veículos emitir uma quantidade de óxido de nitrogênio até 40 vezes maior que a permitida.

O escândalo custou ao grupo mais de EUR 30 bilhões, a grande maioria na América no Norte, onde ele foi forçado e recomprar centenas de milhares de carros. Em junho, promotores de Braunschweig impuseram uma multa recorde de EUR 1 bilhão à montadora alemã.

Embora a multa mais recente seja punitiva, ela ignora outro caso de fraude que a montadora alemã enfrenta. A Porsche, também controlada pela Volkswagen, continua sendo investigada por promotores estaduais em Stuttgart.

Fonte: Valor Econômico
SITE PRODUZIDO POR WORLD DESIGNER
Detrans do Brasil
Acre AlagoasAmapáAmazonasBahiaCearáDistrito FederalEspírito SantoGoiásMaranhão Mato GrossoMato Grosso do SulMinas GeraisParáParaíbaParanáPernambucoPiauíRio de JaneiroRio Grande do NorteRio Grande do SulRondôniaRoraimaSanta CatarinaSão PauloSergipeTocantins