Notícias
« voltar Infraestrutura || Publicado em: terça-feira, 25 de setembro de 2018
CNT defende criação do Indicador de Desempenho das Obras de Infraestrutura

Ferramenta deve levar em consideração variáveis como custo, tempo, qualidade e segurança/meio ambiente para avaliar a execução das obras.

Em um cenário de restrição orçamentária, a otimização da aplicação dos recursos é fundamental. Por isso, o acompanhamento da execução e da conclusão das obras de infraestrutura de transporte é fator preponderante para o sucesso dos projetos em todas as suas etapas. É o que defende a CNT (Confederação Nacional do Transporte) no documento "O Transporte Move o Brasil – Propostas da CNT aos Candidatos”​, entregue aos presidenciáveis e divulgado na última semana. Para tanto, a Confederação sugere a criação do Indicador de Desempenho das Obras de Infraestrutura.

A ferramenta tem o objetivo de mostrar se a obra cumpriu as projeções de quatro variáveis importantes na execução dos projetos: custo, tempo, qualidade e segurança/meio ambiente. O "custo” avalia o orçamento pré-definido para a obra. O fator "tempo” leva em consideração os atrasos no processo de disponibilização da infraestrutura. A variável "qualidade” verifica se a infraestrutura está em conformidade com as normas definidas em contrato e na legislação brasileira. E, por fim, no fator "segurança/meio ambiente”, é analisado o compromisso do construtor em fornecer aos colaboradores e demais cidadãos a segurança durante as obras. Adicionalmente, contempla o respeito à legislação ambiental brasileira.

Além da criação do indicador, a Confederação acredita que a execução orçamentária dos projetos de infraestrutura deve ser transparente. "Por isso, precisamos desenvolver um sistema integrado que seja continuamente atualizado com as informações sobre os avanços das obras e seus respectivos cronogramas”, pondera o diretor-executivo da CNT, Bruno Batista.

Outro ponto essencial apresentado pela Confederação em relação à infraestrutura é a seleção de projetos. Para a CNT, as obras devem ser escolhidas com base em regras que priorizem a integração modal e a melhor relação custo-benefício para o Estado. Para isso, o governo deve adotar uma regra de priorização de investimentos. O documento entregue aos presidenciáveis cita o sistema de construção de obras em áreas urbanas utilizado no Canadá como exemplo. O país adota critérios para definir a ordem em que as intervenções são realizadas.

Entre eles, estão o atrelamento a objetivos setoriais, a contribuição para o desenvolvimento do sistema de transporte, os estudos técnicos, os benefícios sociais, o fato de a obra já ter sido apresentada e incluída no orçamento público, se abrange mais de uma unidade da Federação, se vai exigir procedimentos de desapropriação, se afetará patrimônio cultural ou área de proteção ambiental e se os recursos serão capazes de atender às necessidades durante todo o período de execução.

Veja a íntegra do documento aqui.

Confira aqui ​as principais soluções apresentadas pela CNT.

Fonte: Agência CNT Notícias
SITE PRODUZIDO POR WORLD DESIGNER
Detrans do Brasil
Acre AlagoasAmapáAmazonasBahiaCearáDistrito FederalEspírito SantoGoiásMaranhão Mato GrossoMato Grosso do SulMinas GeraisParáParaíbaParanáPernambucoPiauíRio de JaneiroRio Grande do NorteRio Grande do SulRondôniaRoraimaSanta CatarinaSão PauloSergipeTocantins