Notícias
« voltar Roubo de cargas || Publicado em: terça-feira, 8 de maio de 2018
Roubo de carga: uma epidemia que só cresce no país

A insegurança não é só um mal social, se tornou um problema econômico. No setor de transportes as empresas perdem por ano mais de R$1 bilhão, isso somente no prejuízo causado com o roubo de carga. Em 2016, esse valor chegou a R$ 1,3 bilhão em cerca de 20 mil ocorrências. No ano passado, de acordo com as estimativas da NTC&Logística, o número de sinistros cresceu até 7%. Mas o maior problema na "epidemia” do roubo de cargas é o desabastecimento em algumas cidades ou a criação de taxas extras para realizar o transporte.

"A insegurança no setor de transporte tem impacto direto no escoamento da produção, no abastecimento das famílias e no desenvolvimento de todos os setores da economia. Os números demonstram o impacto da violência no setor transportador, que somou prejuízo superior aos R$ 16 bilhões nos últimos dez anos”, disse o presidente da Confederação Nacional do Transportes (CNT), Clésio Andrade.

De acordo com a CNT, de 1998 e 2017, foram registrados mais de 285 mil casos de roubo de cargas em rodovias de todo o Brasil, totalizando um prejuízo de R$ 16,3 bilhões. Os Estados do Rio de Janeiro e de São Paulo concentram 82,3% das ocorrências.

As cargas mais visadas são as de alto valor agregado (eletroeletrônicos e farmacêuticos) e de fácil repasse, como cigarros, alimentos e vestuários. A C&A, que possuí três centros de distribuição no Brasil dois em São Paulo e um no Rio de Janeiro, criou um departamento de gerenciamento logístico para tentar coibir os roubos durante o transporte dos CDs para as lojas.

Luís Carlos Martão, gerente sênior de Operações Logísticas da C&A, disse que a medida foi necessária para diminuir os prejuízos constantes com os desvios das cargas durante a distribuição. "A nossa imagem junto aos clientes também ficava muito desgastada. Nós fazemos uma escala de viagens pensando nos motoristas. Monitoramos todo o embarque e a viagem, assim cumprimos o nosso PGR – Planejamento de Gerenciamento de Risco”, explicou Martão. "Nós também mapeamos as áreas de risco e criamos rotas alternativas. Deixando o nosso motorista mais seguro e nosso cliente satisfeito”.

Uma pesquisa da Fundação Dom Cabral (FDC) mostrou que no ano passado os gastos extras com segurança e investimentos em tecnologia de monitoramento dos veículos e das cargas tiveram impacto significativo no aumento do custo logístico para os embarcadores, os donos da carga. Segundo a pesquisa, o transporte rodoviário representou 75,9% da movimentação de mercadorias no Brasil e as despesas com logística passaram de 11,73% do f aturamento das empresas em 2015 para 12,37% no ano passado, e isso gerou um gasto de R$ 15,5 bilhões. O levantamento foi feito com 130 empresas que detém cerca de 15% do PIB.

Marcel Favoretto, gerente de logística e armazenagem da Prosegur Cash, disse que a empresa criou há seis anos uma divisão de transporte de carga geral para atender a demanda crescente por segurança. A empresa, que tem no seu "DNA” a movimentação de valores, já investe R$ 10 milhões na compra de caminhões blindados e em sistemas de monitoramento.

"Transferimos a nossa expertise no transporte de valores para esse novo negócio. Com isso, o embarcador tem a solução completa de monitoramento, transporte, pessoal treinado, escolta e seguro. Já tivemos uma consulta para transportarmos óleo de cozinha, para o Rio de Janeiro de tão alto eram os gastos do cliente para levar a mercadoria para a cidade. Recusamos porque não temos as licenças para o transporte de alimentos”, disse Favoretto, acrescentando que atualmente, a Prosegur transporta eletroeletrônicos, produtos farmacêuticos, moda de luxo e cargas de alta atratividade.

A JadLog, empresa especializada na movimentação de carga expressa, dobrou as despesas com segurança e gestão de risco de 2016 para 2017. "A questão da segurança vem aumentando ao longo dos anos e tem se deteriorado em todos os estados e com isso, crescem os nossos custos. Os seguros aumentam, investimos em gerenciamento de risco, tudo isso impacta em nossas despesas. E para alguns destinos o frete é mais caro. Temos que repassar esses custos ao cliente”, disse Bruno Tortorello, CEO da companhia, acrescentando que a JadLog opera uma frota de 3,6 mil veículos e atende uma carteira de 30 mil clientes.

mil clientes. De acordo com levantamento da NTC&Logística, as empresas gastam de 12% a 14% de seu faturamento somente com medidas para mitigar os roubos de carga. Há 20 anos, esse impacto não passava de 4%. "O crescimento da economia das cidades, impulsionavam também os sinistros, por isso, as transportadoras gastam esse percentual para tentar diminuir os prejuízos causados com os roubos. Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, representam mais de 80% das ocorrências no Brasil. Para essas localidades há taxas especiais incorporadas ao frete”, afirmou Paulo Roberto de Souza, assessor de segurança da NTC&Logística.

Prosegur investe R$ 10 milhões em frota e sistema de monitoramento

Com o aumento dos roubos de cargas no Rio de Janeiro, foi criado a taxa emergencial que equivale a 2% de Gris (Gerenciamento de Risco em Transporte) sob o frete e mais R$ 10 por tonelada de carga. Normalmente a Gris não chega a 1% em áreas consideradas seguras. Para Souza, a intervenção militar no Rio de Janeiro, pode melhorar os índices de roubos de cargas no país, pois, no estado e na sua capital, ocorreram 10.599 casos em 2016, um aumento de 7,3% no comparativo com 2015.

"Ainda não vimos um cenário de melhora. Entretanto, temos que dar tempo as medidas implementadas no Rio de Janeiro e se derem certo, com toda certeza vamos diminuir os índices de roubos de carga e melhorar a vida do morador da cidade que viu o seu custo de vida subir. Ficou muito caro levar as mercadorias para o município. Além disso, muitos motoristas se recusam a trabalhar na cidade. Tudo isso é colocado na conta”, ressaltou Souza.

Fonte: Transpodata - Ana Paula Machado
SITE PRODUZIDO POR WORLD DESIGNER
Detrans do Brasil
Acre AlagoasAmapáAmazonasBahiaCearáDistrito FederalEspírito SantoGoiásMaranhão Mato GrossoMato Grosso do SulMinas GeraisParáParaíbaParanáPernambucoPiauíRio de JaneiroRio Grande do NorteRio Grande do SulRondôniaRoraimaSanta CatarinaSão PauloSergipeTocantins