Notícias
« voltar Rodovias || Publicado em: segunda-feira, 2 de abril de 2018
Estudo da CNT apresenta as rodovias esquecidas pelo poder público
Análise histórica da Pesquisa CNT de Rodovias mostra a evolução qualitativa das 15 piores ligações rodoviárias no período de 2004 a 2017

O que leva uma Ligação Rodoviária a aparecer de forma frequente nas últimas posições da Pesquisa CNT de Rodovias durante 14 anos? Para responder a essa pergunta, a Confederação produziu o estudo Rodovias Esquecidas do Brasil - Transporte Rodoviário. O levantamento selecionou as 15 ligações rodoviárias esquecidas das 109 avaliadas anualmente pela CNT. Como critério, adotou-se a regra de que a extensão deveria ser majoritariamente de jurisdição federal e que aparecesse por, pelo menos, quatro vezes entre as vinte últimas posições do ranking de classificação de ligações da Pesquisa CNT de Rodovias nas edições publicadas entre 2004 e 2017.
 

Durante esse período, foram realizadas 13 pesquisas utilizando os mesmos métodos de avaliação, o que permitiu a construção de uma base de dados ampla o suficiente para verificar a evolução da qualidade das ligações selecionadas.

O presidente da  CNT (Confederação Nacional do Transporte), Clésio Andrade, diz que a superação desses problemas requer fortes investimentos em infraestrutura. "O quadro apresentado pela CNT nesse estudo é dramático, pois demonstra a incapacidade do Estado de promover a melhoria das rodovias brasileiras, o que leva à perpetuação das deficiências na infraestrutura de transporte”.

Veja as 15 piores ligações rodoviárias entre 2004 e 2017:

1 - Açailândia (MA) – Miranda do Norte (MA)

2 - Araguaína (TO) – Picos (PI)

3 - Barracão (PR) – Cascavel (PR)

4 - Dourados (MS) – Cascavel (PR)

5 - Florianópolis (SC) – Lages (SC)

6 - Governador Valadares (MG) – João Neiva (ES)

7 - Jataí (GO) – Piranhas (GO)

8 - Maceió (AL) – Salgueiro (PE)

9 - Manaus (AM) – Boa Vista (RR) – Pacaraima (RR)

10 - Marabá (PA) – Dom Eliseu (PA)

11 - Marabá (PA) – Wanderlândia (TO)

12 - Poços de Caldas (MG) – Lorena (SP)

13 - Porto Velho (RO) – Rio Branco (AC)

14 - Rio Brilhante (MS) – Porto Murtinho (MS)

15 - Salvador (BA) – Paulo Afonso (BA)

A conclusão mostra que as más condições das rodovias que compõem as ligações se devem ao baixo nível de investimento realizado pelo governo federal. Apesar de a maior parte dos recursos, 67,9% do orçamento público federal aportado especificamente nas ligações, ser destinada a ações de manutenção, o volume de recursos é insuficiente para promover a melhoria da qualidade oferecida aos usuários.

A CNT calcula que sejam necessários R$ 5,80 bilhões apenas para solucionar os principais problemas identificados nessas rodovias. Assim, para recuperar apenas as piores ligações rodoviárias do país, é necessário destinar a essas ações prioritárias o equivalente a 69,7% do recurso autorizado pelo governo federal para intervenções rodoviárias em 2017.

Vale ressaltar que os valores identificados podem não representar a totalidade dos investimentos feitos nas rodovias em questão. Isso pode ocorrer pela falta de transparência do governo na divulgação dos dados e pela ausência de identificação correta das BRs onde houve aplicação de recursos.

Clique aqui para baixar a íntegra do estudo.
Clique aqui para baixar os principais dados.
Veja o resumo da análise por ligação rodoviária.

Fonte: Agência CNT Notícias
SITE PRODUZIDO POR WORLD DESIGNER
Detrans do Brasil
Acre AlagoasAmapáAmazonasBahiaCearáDistrito FederalEspírito SantoGoiásMaranhão Mato GrossoMato Grosso do SulMinas GeraisParáParaíbaParanáPernambucoPiauíRio de JaneiroRio Grande do NorteRio Grande do SulRondôniaRoraimaSanta CatarinaSão PauloSergipeTocantins