Notícias
« voltar Infraestrutura || Publicado em: sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018
Pontes e viadutos brasileiros carecem de acostamentos e defensas

Oficialmente batizado como viaduto Vila Rica, mas conhecido como viaduto das Almas, o elevado localizado na BR-040, em Itabirito (MG), faz jus ao apelido. Inaugurado em 1957, foi desativado em 2010 após sucessivas tragédias. Estreito, erguido em curva, sem acostamento e sem divisão das pistas de sentidos contrários, levou mais de 200 pessoas à morte. O acidente mais grave ocorreu em agosto de 1969, quando um ônibus não conseguiu atravessá-lo. Trinta pessoas morreram. Dois anos antes, em setembro de 1967, outro coletivo despencou de lá, e este foi o resultado: 14 vítimas.

No Pará, outro acidente emblemático. Em 2014, uma balsa que transportava óleo colidiu com um dos pilares de sustentação da ponte que cruzava o rio Moju, na rodovia PA-483, que possuía 900 metros de extensão e ligava Belém à região do Baixo Amazonas e ao sul do Estado. Após o acidente, um trecho de 50 metros despencou, interrompendo a passagem de veículos por mais de dois anos. Ninguém ficou ferido, mas a situação gerou crise econômica no município devido à diminuição do volume de carros na cidade.

Esses dois casos são exemplos que retratam a real situação de grande parte das pontes e dos viadutos no Brasil, chamados oficialmente de obras de arte. De acordo com a 21ª Pesquisa CNT de Rodovias, divulgada no começo de novembro pela Confederação Nacional do Transporte, das 10.447 pontes ou viadutos pesquisados em todo o país, 58,6% não possuem acostamentos ou defensas e 7,6% não possuem nenhum dos dois mecanismos de segurança. Além disso, 1.429 estão localizados em cidades, por onde as rodovias avaliadas transitam em áreas comerciais ou residenciais. Dessas, 79,8% não possuem passagem de pedestre, dificultando a mobilidade local.

Os pesquisadores localizaram cinco pontes caídas, em trechos considerados críticos, nos municípios de Chaval (ES), Nova Venécia (ES), Alcântara (MA), Batalha (PI) e São Desidério (BA). De acordo com o estudo, 94,9% das obras de arte avaliadas são construídas em concreto e 56,6% possuem dimensão entre 10 e 50 metros de comprimento. As pontes são projetadas e construídas para sobrepor barreiras físicas, tais como cursos d’água. Já os viadutos sobrepõem outras vias ou desníveis topográficos.

A pesquisa da Confederação também revelou que os investimentos para manutenção e adequação das obras de arte, assim como para a construção de novas pontes e viadutos, caíram substancialmente entre 2016 e 2017. Enquanto naquele ano, foram investidos R$ 6,77 milhões para manutenção e adequação, até novembro do ano passado, foram somente R$ 330 mil. O valor também caiu sensivelmente na construção: R$ 304,13 milhões, em 2016, contra R$ 33,44 milhões, em 2017.

"Os números demonstram baixa prioridade do governo em relação a esse tipo de construção. Isso representa perdas para a infraestrutura brasileira e acaba contribuindo para o aumento do Custo Brasil e gerando grandes riscos de acidentes nas rodovias”, alerta o diretor executivo da CNT, Bruno Batista. Segundo dados da PRF (Polícia Rodoviária Federal), entre janeiro e outubro do ano passado, foram registrados 841 acidentes em pontes e viadutos de todo o país.

De acordo com o órgão, "um dos agravantes relacionados aos acidentes em pontes e viadutos é o fato de que, nessas obras de arte, normalmente não há área de escape. Tal característica, somada à velocidade incompatível ou à falta de atenção, amplia o risco de queda e, consequentemente, de lesões graves ou mortes”. A PRF informou ainda que trabalha em dois pilares para coibir acidentes nesses pontos específicos: educação para o trânsito realizada em todas as Unidades da Federação – tanto junto aos motoristas quanto em escolas, empresas e comunidade – e fiscalização ostensiva com base em pontos críticos de ocorrências de acidentes de trânsito, com vistas a coibir comportamentos perigosos.

Fonte: Agência CNT Notícias
SITE PRODUZIDO POR WORLD DESIGNER
Detrans do Brasil
Acre AlagoasAmapáAmazonasBahiaCearáDistrito FederalEspírito SantoGoiásMaranhão Mato GrossoMato Grosso do SulMinas GeraisParáParaíbaParanáPernambucoPiauíRio de JaneiroRio Grande do NorteRio Grande do SulRondôniaRoraimaSanta CatarinaSão PauloSergipeTocantins