Notícias
« voltar Malha rodoviária || Publicado em: segunda-feira, 20 de novembro de 2017
MG: malha rodoviária do Estado é a que mais demanda recursos

Unidade da Federação estratégica à logística de transporte no Brasil, Minas Gerais tem a mais extensa malha rodoviária do país, sendo que a maior parte dela apresenta deficiências. De acordo com a 21ª Pesquisa CNT de Rodovias, 69,8% (10.526 km) das rodovias mineiras são classificadas como regulares, ruins ou péssimas. Por conta desse cenário, o estudo estima que seriam necessários mais de R$ 9,2 bilhões para investir em reconstrução e restauração de alguns trechos e na manutenção dos trechos desgastados – o índice mais alto do país.

A partir de hoje, a Agência CNT de Notícias publica alguns desdobramentos da Pesquisa CNT de Rodovias sobre as diferentes Unidades da Federação. O estudo da Confederação Nacional do Transporte pesquisou 15.076 km em Minas Gerais para avaliar o estado geral das rodovias, considerando pavimento, sinalização e geometria da via. Desses, 4.550 km (30,2%) foram avaliados como ótimos ou bons. Toda a malha federal pavimentada é avaliada e os principais trechos estaduais, também pavimentados.

Devido às condições precárias do pavimento, o custo do transporte rodoviário nas vias mineiras sofre acréscimo de 32,4%, já que rodovias com deficiência têm menos segurança, exigem mais manutenção dos veículos e maior consumo de combustível.

DETALHAMENTO DAS CONDIÇÕES

Pavimento

No pavimento, são consideradas as condições da superfície da pista principal e do acostamento. A pesquisa classificou o pavimento como regular, ruim ou péssimo em 58,1% da extensão avaliada em Minas Gerais, enquanto que 41,9% foram considerados ótimos ou bons; 49,5% da extensão pesquisada apresentou a superfície do pavimento desgastada.

Sinalização

Nessa variável, são observadas a presença, a visibilidade e a legibilidade de placas ao longo das rodovias, além da situação das faixas centrais e laterais. O estudo apontou que há problemas de sinalização em 57,8% da extensão avaliada (classificação regular, ruim ou péssimo). Em 42,2%, o estado foi classificado como ótimo ou bom. Ao analisar os trechos onde foi possível a identificação visual de placas, 20,5% apresentaram placas desgastadas ou totalmente ilegíveis.

Geometria da via

O tipo de rodovia (pista simples ou dupla) e a presença de faixa adicional de subida (3ª faixa), de pontes, de viadutos, de curvas perigosas e de acostamento estão incluídos na variável geometria da via. A pesquisa constatou que 84,5% da extensão pesquisada não tem condições satisfatórias de geometria; 15,5% tiveram classificação ótimo ou bom. O Estado tem 88,9% da extensão das rodovias avaliadas de pista simples de mão dupla.

Pontos críticos

A pesquisa identificou ainda 13 trechos com erosões na pista, sete com buracos grandes e três com quedas de barreira que colocam em risco o condutor ao trafegar pelas rodovias dessa Unidade da Federação.

Investimentos

Entre 2004 e 2016, 82,3% dos recursos autorizados para Minas Gerais foram pagos. Em 2017, até junho, a relação total pago e autorizado foi de 30,3%. Os desembolsos com manutenção de trechos foram os maiores, mas os aportes para adequação e construção também foram relevantes. Nas adequações, destacam-se as intervenções feitas nas BR-381/365/050/262. Os gastos com construção se deram principalmente nas BR-146/265/364.

No período de 2004 a 2017, o estado geral das rodovias melhorou, dado que 84,9% da extensão foi classificada como regular, ruim ou péssimo em 2004, ante 64,0% em 2017. Em razão da melhora nas condições do pavimento, o aumento do custo operacional diminuiu de 33,0% em 2004 para 32,4% em 2017. Em 2016, foram registrados 14.371 acidentes, com custo estimado em R$ 1,55 bilhão.

Infográfico - MG.jpg

Fonte: Agência CNT Notícias
SITE PRODUZIDO POR WORLD DESIGNER
Detrans do Brasil
Acre AlagoasAmapáAmazonasBahiaCearáDistrito FederalEspírito SantoGoiásMaranhão Mato GrossoMato Grosso do SulMinas GeraisParáParaíbaParanáPernambucoPiauíRio de JaneiroRio Grande do NorteRio Grande do SulRondôniaRoraimaSanta CatarinaSão PauloSergipeTocantins